A aviação faz parte do mundo moderno e sem ele a actual sociedade não seria a mesma. O Boing 737 com todas as suas variantes que foram sendo construídas desde 1967 tornou-se o avião comercial mais popular de sempre, mas ser o mais popular não quer dizer que seja realmente o melhor e o mais seguro de todos.

Seja em que parte do mundo for um Boeing 737 levanta voo a cada 2,5 segundos transportando milhares de passageiros e milhares de toneladas de carga, mas a Boeing esconde um segredo perigoso.

Existe uma falha na concepção do próprio Boeing 737 que já remonta aos anos 60, ou seja ao inicio da sua projecção e construção. Segundo uma investigação da Newsweek existe um problema relacionado com o revestimento da fuselagem que já esteve na origem de vários acidentes, mas continua a não ser corrigido por parte da Boeing.

O grande problema prende-se com a diminuta espessura da liga de alumínio que reveste a fuselagem do avião, e a cada voo efectuado a pressurização e despressurização colocam o revestimento em esforço, e quantos mais voos forem feitos maior é o risco do revestimento ficar enfraquecido.

O mais recente acidente relacionado com este problema aconteceu em Abril de 2011 num voo da Southwest Airlines entre Phoenix e Sacramento. Acabado de atingir a altitude de cruzeiro, que é de cerca de 35.000 ft. quando foi ouvido um enorme estrondo e as máscaras de oxigénio caíram. Tinha ocorrido uma perda súbita na pressão da cabine, pois o revestimento do avião tinha sido danificado mas ainda assim foi possível aterrar em segurança.

Em 2009 outro avião da mesma companhia aérea tinha sofrido um problema semelhante, onde os investigadores descobriram graves falhas nas juntas de ligação do revestimento. De acordo com a Newsweek, um 737 tem uma vida útil de 60 mil voos em segurança, mas o modelo em questão tinha feito apenas 39,781 voos pelo que era cedo demais para haver problemas.

O Boeing 737 é um fantástico avião e ninguém dúvida disso, mas possui uma lacuna endémica no design da sua fuselagem. A Boeing respondeu às questões dizendo que o avião tem sofrido alterações e melhorias e tem um registo excelente ao nível da segurança. Mas como o design original é dos anos sessenta, há limites para as melhorias que se podem fazer.

Um dos acidentes mais graves ocorridos com aviões Boeing 737 foi o de uma companhia aérea de Taiwan que caiu em 1981 e matou toda a gente a bordo, onde se concluiu que fora o peixe congelado transportado frequentemente pelo avião que provocou corrosão no revestimento da fuselagem que viria a provocar o acidente. Em 1988 um 737 da Aloha Airlines ficou com um grande buraco no tecto e deixou os passageiros a olhar directamente para o céu,mas infelizmente uma das assistente de bordo foi sugada pela despressurização da cabine, mais uma vez o problema? Tinha feito muitos voos de curta duração com um ambiente muito húmido, o que resultou em corrosão e fadiga do metal (demasiado fino e leve).

Como apreciador da engenharia que envolve o processo de fabrico dos aviões compreendo que seja muito difícil corrigir e melhorar um design oriundo dos anos 60 e que apesar de todos os melhoramentos sofridos ao longo dos anos continua com o seu ponto fraco no revestimento da fuselagem, mas mudar tudo isso constituiria um redesenho muito complexo e radical, algo que na actual conjectura económica a Boeing não se pode dar ao luxo de fazer com medo de perder terreno e competitividade económica face a sua grande concorrente Airbus.

Apesar de tudo isto os Boeing 737 continuam a ser dos mais usados e seguros de toda a frota aérea em todo o mundo, mas será que vale mesmo a pena deixar vidas humanas em risco devido à difícil correcção do problema?

Leave a Reply