Le Mans 16 17

 

“Se há uma coisa que permanece imutável no Automobilismo, é que nada permanece imutável.
Os carros são constantemente destruídos e reconstruídos.
Novas ideias são implementadas, outras abandonadas.
Pilotos e Equipas aparecem e desaparecem.
Calibrar a máquina é uma busca infindável, uma procura contínua pela configuração ideal.
Conduzir um carro de corrida é mais que uma ciência, é uma arte.”

O competição automóvel é mais do que atingir a perfeição mecânica e a excelência na pilotagem, é um misto de “tudo e mais alguma coisa” que se possa imaginar e por fim ainda existe o factor sorte.

Tudo isto ficou nitidamente provado no final das 24 Horas de Le Mans 2016. Onde tudo se dava por vencido, o Toyota TS50 número 5 entrava nos últimos 5 minutos de corrida com o Porsche 919 a mais de 2 minutos atrás quando à entrada da famosa recta das Hunaudières, Kazuki Nakajima comunica com a equipa “I have no Power”. Instalou-se o caos e a reviravolta mal havia começado.

Problemas na unidade híbrida faziam com que o Toyota TS50 se arrasta-se com dificuldade e facilmente foi alcançado pelo Porsche. Perdendo uma corrida que liderou praticamente de fio-a-pavio nos últimos 5 minutos com um golpe duro de se digerir.

Não me vou alongar muito nas palavras, pois a foto fala por si quanto à desolação sentida pela equipa!

“Foi a Toyota que Perdeu a Corrida e não a Porsche que a Ganhou!!!”

 

Vícios e Vícios: 24h Le Mans 2015

a153597large-4146
Nada somos sem as nossas pequenas coisas, sem os nossos pequenos vícios e paixões. Para uns louco, obstinado e persistente, mas o vício e a paixão pelo desporto motorizado é maior que tudo e seria impensável perder aquela que é considerada a maior prova desportiva do mundo pela BBC a par dos Jogos Olímpicos. As 24H de Le Mans são o pináculo do desenvolvimento mecânico do desporto automóvel, uma corrida de resistência que mais parece uma corrida de sprint de 24H.

Pilotos e máquinas percorrem o mítico traçado de La Sarthe, circuito este que com os seus 13,680 Km circundam a pequena cidade de Le Mans no sul de França.

Como Português e patriota, defendo com afinco as cores Nacionais assim como os nossos pilotos que por muito “desconhecidos” que sejam da generalidade de pessoas, sim, Portugal é ainda um país de “futeboleiros”. Nesta edição de 2015 as cores Nacionais estão representadas pelo Filipe Albuquerque, Tiago Monteiro, Pedro Lamy, João Barbosa e Rui Águas.

Pouco mais de 6 Horas passaram desde o arranque e os Portugueses já escreveram o seu nome na Histórias das 24H de Le Mans, mais concretamente Filipe Albuquerque que tripula o Audi R18 e-tron quattro nº 9 que não só conseguiu atacar os Porsche, como também bateu duas vezes o recorde da volta mais rápida em corrida.

Albuquerque fez duas voltas mais rápidas seguidas, a primeira em 3m18,477s e a segunda em 3m17,647s. Não só o português conseguiu bater o recorde da configuração atual, feita em 2010 por Loïc Duval, no Peugeot 908, em 3m19,074s, como também bateu os 3m18,4s de Pedro Rodríguez num Porsche 917, feito numa versão mais curta e sem chicanes na reta Mulsanne, recorde existente desde 1971.

lemans

Mais uma vez a noite adivinha-se difícil, mas ao mesmo tempo empolgante o que motiva ainda mais o seguimento da prova a par-e-passo. Desta vez apenas pela TV, e live-timming na Internet, mas sem nunca perder o sonho de um dia estar pessoalmente em Le Mans…

E que amanhã tenhamos a bandeira Portuguesa no lugar mais alto do pódio…

Força Filipe Albuquerque, Tiago Monteiro, Pedro Lamy, João Barbosa e Rui Águas….

82º Edição das 24 Horas de Le Mans

untitled-1-c8ab

Ano após ano tornei estas 24 horas numa espécie de ritual onde tomo especial atenção à transmissão das 24 horas de Le Mans, a competição rainha  do Endurance Automóvel.

Esta edição trás especial orgulho devido à participação do Filipe Albuquerque aos comandos de uma Audi R18 E-tron, assim como de Álvaro Parente aos comandos de um Ferrari F 458 Italia e do Pedro Lamy no Aston Martin V8.

Depois do incrível acidente de Loic Duval ao literalmente desfazer o Audi R18 E-tron, a Audi foi capaz de fazer renascer o carro das cinzas e coloca-lo em competição, algo que pensava eu ser impossível tal foi o estrago.

Tinha muitas esperanças no Filipe Albuqerque, e num bom resultado que se desfez quando num período de chuva em que o Safety-car estava em pista foi literalmente abalroado pelo Ferrari da AF Corse com Sam Bird ao volante.

untitled-1-adaf

Álvaro Parente também não foi feliz, tendo o Ferrari da equipa RAM se debatido com vários problemas mecânicos, assim como Pedro Lamy que liderava a sua categoria até ser obrigado a parar nas Boxes com problemas perdendo várias posições.

Apesar dos azares Nacionais a prova mantém a sua mística e espectaculariade, pelo que o ritual se manterá com uma “directa” a assistir à espectáculo motorizado das 24 Horas de Le Mans.

E que num futuro próximo possa estar de corpo e alma presente no Circuito de La Sarthe.

Vícios e Vícios: 24h Le Mans 2013

00-2012-24-hours-of-le-mans-opt

Ao inicio ainda tinha esperança que o desfecho da prova este ano fosse um pouco diferente dos últimos anos onde a Audi tem dominado por completo, mas ainda não foi desta que a Toyota conseguiu assegurar o lugar mais alto do pódio.

Como já vai sendo tradição segui a prova através da Eurosport onde além da transmissão da prova são divulgados muitos factos históricos sobre a prova assim como se são conhecidas algumas histórias de antigos pilotos.

Apesar dos problemas com dois dos carros da Audi, um deles conseguiu mesmo manter-se na primeira posição até ao final da prova sendo guiado por Kristensen, Allan McNish e Loïc Duval.

Tal como já falei no post anterior a edição de 2013 ficou marcada pela morte em corrida do piloto Allan Simonsen que pilotava um Aston Martin Vantage V8. Mas ressalvo a grande atitude da família que pediu para que a equipa onde o falecido piloto corria para não se retirar da prova honrando a memória de Allan Simonsen.

Fatalidades acontecem em qualquer momento, em qualquer lugar e a qualquer pessoa, mas podemos seguramente dizer que Allan Simonsen morreu a fazer o que mais gostava, que era pilotar um carro de corrida e isso é por si só um elemento forte em sua memória.

A armada nacional não foi muito feliz com ambos os pilotos, Pedro Lamy no Aston Martin Vantage V8 e os seus companheiros de equipa a abandonarem a corrida após uma acidente, assim como Rui Águas que se atrasou bastante com problemas e furos no Ferrari F458.

Ainda não foi desta que consegui estar presente nesta mediática prova do automobilismo mundial, mas é impossível esconder o sonho de um dia poder estar de corpo e alma envolvido na grande festa do automobilismo que são as 24 Horas de Le Mans.

Até 2014 Le Mans.

Vícios e Vícios: 24h Le Mans 2013

akl444524hlemans-8c08 (1)

Um ano passou desde a edição passada das 24h de Le Mans e mais uma vez eu como aficionado estou a acompanhar a competição o melhor que posso, e por entre o trabalho. A corrida iniciou-se hoje (22 de Junho) pelas 13:15h e irá terminar no dia de amanhã (23 de Junho) as mesmas 13:15h.

Na categoria rainha, os LMP1 a batalha é entre os já muito experientes e rápidos Audi R18 e-tron e os Toyota TS30, sendo que os Japoneses não estão a consguir acompanhar o ritmo dos homens da Audi.

Quanto aos homens Portugues temos o Pedro Lamy com o Aston Martin Vantage V8 a lutar pelo Top 5 e Rui Águas no Ferrari da AF-Corsa dentro do Top 10 na classe GTE-Am.

20136221627351_Allan Simonsen_II

É de referir que esta edição das 24 Horas de Le Mans já fez uma vítima mortal entre os pilotos, Allan Simon de origem Dinamarquesa sofreu uma violenta saída de estrada na curva  Tertre Rouge falecendo após os cuidados pré-hospitalares.

Ainda faltam muitas horas de corrida e durante a noite muito poderá suceder, eu estarei atento.