Confesso que é algo que não me surpreende uma vez que a situação da Mini no WRC é delicada e sobretudo confusa. Com a tutela da equipa oficial ter passado para a WRC Team Mini Portugal e com o desenvolvimento do carro a cargo da experiente Prodrive era de esperar que estes tudo fizessem para dificultar a vida à equipa oficial.

Dani Sordo que é piloto oficial da Prodrive estreou a evolução “01B” à cerca de 2 meses no Vodafone Rally de Portugal, mas até agora Armindo Araújo ainda nem sequer viu essas evoluções montadas no seu carro, lamentando-se por isso e mais uma vez colocando os maus resultados como consequência da falta da dita evolução, mas no fundo não é bem isso que se passa.

Basta reparar no seu seu rival Daniel Oliveira que no ano passado era cerca de 2 segundos mais lento por quilómetro e neste momento já consegue ser mais rápido que o piloto nacional, é tudo uma questão de evolução e eu acho que o Armindo Araújo já chegou ao topo da sua evolução.

Armindo Araújo e as Desculpas – Parte 2

Mais um rally se passou e desta feita foi o duro rally da Grécia, aquele que é proclamado o rally dos Deuses e que é conhecido por ser um devastador de mecânicas.

Para o piloto nacional foi mais uma ronda desoladora sem conseguir qualquer tempo digno de registo, e mantendo as mesmas postura das desculpas, o que já vem sendo hábito. Começou logo no primeiro dia quando na “Qualifying Stage” e após 25km de especial ocupavam um modesto 14º lugar, novamente atrás de carros S2000, bem menos competitivos que o Mini Jonh Cooper Works WRC. Armindo Araújo desculpou-se deste tempo dizendo que a traseira do Mini Jonh Cooper Works WRC estava demasiado solta, o que não permitiu andar mais depressa.

Com este tempo medíocre na “Qualifying Stage” Armindo Araújo foi o segundo a sair para a estrada no dia seguinte, tenho como tarefa limpar a estrada, algo que o iria atrasar ainda mais.

Com o problema num dos braços de direcção na 15ª especial Armindo Araújo foi obrigado a parar, não podendo continuar os restantes troços. Entrou no derradeiro dia de prova ao abrigo do regulamento de Rally 2 o que lhe valeu uma penalização de 15 minutos mais o tempo que já tinha de atraso para os mais rápidos, terminando o rally na 10ª posição após muitas desistências de pilotos mais rápidos no último dia de prova.

Mais uma vez ficou claramente provado que Armindo Araújo não está a conseguir acompanhar o andamento dos mais rápidos da classe inferior (S2000) o que me deixa muito desapontado, pois sempre depositei algumas esperanças num bom piloto nacional, mas ao que vejo Armindo Araújo não tem capacidades de figurar na tabela dos bons resultados.

Armindo Araújo e as Desculpas!

Armindo Aráujo: “Desde o início do projeto que o nosso objetivo é terminar nos lugares pontuaveis”

Já estamos fartos de ouvir todo o tipo de desculpas para os fracos resultados atingidos pelo piloto Português no WRC. Ora é porque o Mini Jonh Cooper Works WRC ainda é muito jovem e não é muito fiável, ou é porque faltou oportunidades para testar ou então porque preferiram abrandar o ritmo de modo a acabar o rally. Tudo isto sem esquecer que no início da temporada o objectivo era terminar todos os Rally’s nos lugares pontuáveis, algo redondamente falhado.

No próximo fim-de-semana irá realizar-se o Rally da Grécia, um dos Rally’s mais duros de todo o campeonato, e que certamente vai por verdadeiramente à prova todas as equipas presentes.

O piloto nacional começa por dizer: “O Rali da Grécia é sempre muito duro e sabemos que esse será um grande desafio para todos. Já fizemos este rali algumas vezes e conhecemos bem aquilo que vamos encontrar. Estamos preparados para dar o nosso melhor e motivados como sempre”. Ainda sem as ultimas evoluções disponibilizadas pela Prodrive no seu Mini Jonh Cooper Works WRC será muito difícil obter resultados dignos nesta prova, a menos que modere o andamento e fique a espera de subir posições à custa dos abandonos dos seus adversários.

Como aficionado e critico da modalidade este projecto estará condenado ao fracasso, pois Armindo Araújo já não terá oportunidade de evoluir de modo a conseguir acompanhar os jovens pilotos que cada vez mais se estão a afirmar na classe mais alta do mundial de Rally’s. Nunca conseguirá obter a irreverência de um Ott Tanak, ou Thierry Neuville assim como a sua rapidez apesar de não evitarem algumas saídas de estrada, mas como continuo a dizer, os tempos trazem o material e o material traz os tempos, sendo assim é preferível dar nas vistas com um tempo canhão e bater no troço seguinte do que andar todo o rally no anonimato.

Crónica: Armindo Araújo e o Mini Jonh Cooper Works WRC

Muita tinta tem corrido ultimamente sobre o piloto nacional Armindo Araújo que ascendeu no ano passado e se mantém este ano na categoria rainha do campeonato do mundo de rally’s. Não pretendo com esta crónica denegrir a imagem do Armindo Araújo, pois ele tem talento comprovado com os dois campeonatos ganhos na categoria de produção, mas será esse talento suficiente para triunfar no WRC?

Para ser muito sincero, a resposta será não. Vivemos num país pequeno no qual é difícil agrupar um bom conjunto de apoios de modo a conseguir um programa de provas extenso, mas não é esse o principal problema da falta de competitividade dos pilotos nacionais na modalidade dos Rally’s. O grande problema dos pilotos nacionais é o facto da conjectura e da formação na área não ser a adequada para o aperfeiçoamento da pilotagem que um piloto de rally necessita.

No campeonato nacional não existe grande controlo ao nível dos treinos e dos pneus, elem de outras coisas o que motiva as equipas com maior orçamento a dominar as provas devido ao melhor conhecimento das mesmas, pois treinam vezes sem conta nas especiais de classificação, indo para a prova com os troços completamente decorados, e essa não é a filosofia dos rally’s.

Os rally’s exigem que os pilotos guiem por instinto e com confiança nas notas do navegador.  Na minha humilde opinião o Armindo Araújo deveria ter enveredado pelo SWRC, ou até 2010 no JRWC, esses sim, campeonatos de onde saíram bom pilotos para o WRC em virtude da grande competitividade desses mesmos campeonatos, coisa que o PWRC onde Armindo Araújo foi campeão nunca teve.

Temos lido muitas desculpas para os fracos resultados obtidos no WRC pelo Armindo Araújo, mas para mim não passam de desculpas, pois mesmo não tendo o carro mais competitivo do plantel, as suas provas tem sido executadas no anonimato. É certo que o material traz bons tempos nos troços, mas bons tempos nos troços e rally’s também trazem o material. Por vezes é preferível forçar o andamento e fazer dois ou tres tempos excepcionais e de seguida bater numa árvore do que passar despercebido durante todo o rally.

Ainda faltam 8 provas até ao final do campeonato, pelo que ainda espero um pouco mais de evolução do Armindo Araújo, mas a bem dizer já não tenho muita confiança que os bons resultados apareçam.

Sinto-me Incompleto – Vodafone Rally de Portugal 2012!!!

Podemos dizer que somos incompletos em todos ou alguns aspectos, mas existem pequenas coisas, pessoas ou eventos que nos preenchem um pouco o ego e a alma. São essas coisas, pessoas e eventos que devemos agarrar e completar um pouco mais daquilo que somos, tornando-nos mais realizados.
Eu hoje sinto-me extremamente incompleto, pelo simples facto de que queria muito estar no Vodafone Rally de Portugal 2012. Mais do que querer uma namorada, uma companhia queria estar no meu “pequeno” mundo dos carros de corrida, no meio do pó e da multidão!

Este ano não foi possível realizar este desejo, o qual foi minimizado com o excelente fim-de-semana do Fafe Rally Sprint, mas por mim era Rally de Portugal todos os dias do ano. Nada mais posso fazer que acompanhar pela Tv e Internet e sonhar que em 2013 eu possa estar de novo a acompanhar o Vodafone Rally de Portugal na primeira pessoa, e quem sabe co uma companhia.

Sonhar é fácil, e pelo que vejo é mais fácil ir ao Vodafone Rally de Portugal do que encontrar uma boa companhia. Resta-me dizer “Go Go Petter, Jari-Matti Latvala, Ott Tanak e Armindo Araújo”, assim como a todos os outros que se encontram em prova, porque eu irei acompanhar e sonhar à noite com o Vodafone Rally de Portugal 2012.