Por muito que desejes o melhor, esperas sempre o pior. E hoje isso aconteceu. Vinte e um anos depois, um piloto volta a morrer num Grande Prémio de Formula 1 após os eventos de Imola em 1994, onde morreram o austríaco Roland Ratzenberger e o brasileiro Ayrton Senna.. E é um dia triste para o automobilismo. Ars lunga, vita brevis, Jules.

Ayrton Senna, O Herói e o Mágico das Pistas

Formula One World Championship

Relembro-o desde que me consigo recordar. Ayrton Senna morreu num forte acidente contra um muro de betão no circuito de Imola a 1 de Maio de 1994 enquanto pilotava um Williams Renault de Fórmula 1 a cerca de 300 km/h. Tinha eu apenas 4 anos, mas recordo-me de todo o alvoroço que a morte deste magnífico piloto criou em torno da Fórmula 1 e do desporto motorizado.

Desde a sua morte passaram quase 19 anos, mas caso ainda estivesse entre nós Ayrton Senna faria hoje 53 anos.

Aqui fica este pequeno lembrete sobre o Campeão, o piloto que me faz sonhar desde pequenino.

Ayrton Senna (21/03/1960)

Roland Ratzenberger, um Promissor Piloto de F1

Faz hoje exactamente 18 anos que naquele fatídico fim-de-semana em ìmola morreu Roland Ratzenberger, um promissor piloto Austríaco. Foi na curva Gilles Villneuve, em Ímola que o Simtek do jovem piloto se despistou com tal violência que os médicos pouco puderam fazer.

Longe do mediatismo da morte de Ayrton Senna, Roland Ratzenberger foi quase como esquecido no mundo da F1. É verdade que nunca conseguiu os feitos do gigante Ayrton Senna, mas era um jovem promissor que num fim-de-semana negro deu a sua vida pela paixão das corridas e da velocidade.

Na qualificação de Sábado 30 de Abril de 1994, Roland Ratzenberger saiu de pista danificando a asa dianteira do Simtek, mas optou por não entrar nas boxes para os mecânicos verificarem se estava tudo bem com o seu monolugar e continuou. Depois da fatídica curva Tamburello onde no dia seguinte Ayrton Senna perdeu a vida e que é feita a cerca de 340 Km\h a asa danificada partiu-se tornando o carro impossível de pilotar. O piloto nada conseguiu fazer batendo a 314.9 Km\h (segundo a telemetria) morrendo imediatamente com uma fractura da base do crânio.

Apesar de não ser um piloto muito conhecido e famoso, seria homenageado por Ayrton Senna (Senna levava no seu cockpit a bandeira Austríaca) no dia seguinte à sua morte, caso este conseguisse a vitória, o que não aconteceu pois Ayrton Senna sofreu também um acidente que lhe viria a roubar a vida.

Dia precedente ao dia do trabalhador em Portugal, mas um marco negro na história da Fórmula 1, no entanto para mim “Roland Rat” nunca será esquecido.