Pássaro Mecânico – Bell 412

Como é sabido por aqueles que me conhecem minimamente, a aviação é uma das minhas paixões e tudo pára para mim quando vejo\ouço uma aeronave perto de mim. Foi o que aconteceu na manhã de 8 de Junho, quando quase fui “preso” por estar a tirar fotografias a um dos mais belos helicópteros, um Bell 412 ao serviço do INEM aterrado no heliporto do Hospital de Vila Real!

Aqui ficam as fotos da bela aeronave:

Marca: Canon EOS 600D
Objectiva: Canon EFS 18-55mm IS
Abertura: F/5
Exposição: 1/400 Seg
Distância Focal: 420mm
ISO: 100

Marca: Canon EOS 600D
Objectiva: Canon EFS 55-250mm IS
Abertura: F/5
Exposição: 1/400 Seg
Distância Focal: 55mm
ISO: 100

No fundo valeu a pena o risco, pois estar perante um helicóptero tão belo e importante no meio da aviação é algo que me transporta para uma galáxia completamente à parte.

Um Dia Quiz Ser Piloto Aviador Mas o Meu País Não Deixou…

Por vezes acontecem coisas que nos deixam simplesmente realizado, e hoje foi um desses dias! Geralmente uma ia ao hospital não indica algo de bom, e hoje também seria um desses dias, pois fui em serviço dos Bombeiros Voluntários de Vila Pouca de Aguiar efectuar um socorro pré-hospitalar e respectivo transporte para a unidade Hospitalar de Vila Real.

Estava eu a espera da libertação do material de imobilização e eis que oiço um zumbido característic0 de um AgustaWestland AW109 ao serviço do INEM, mais precisamente o helicóptero de matrícula EC-LAK sediado em Aguiar da Beira. Até aqui não foi nada de estranho, pois foi uma aterragem normal e sem incidentes.

O que me deixou a sonhar que nem uma criança foi a dupla de Piloto, Co-Piloto devidamente fardados de fato-macaco Azul escuro, e insígnias correctamente colocadas ambos de óculos de sol tipo aviador, mesmo ao estilo do Top Gun. Por momentos fiquei a sonhar que eu também poderia estar naquele lugar, mas a oportunidade fugiu-me por entre os dedos.

É um regalo assistir a este tipo de actividade, algo que me faz sonhar todas as noites.

Emergência Pré-Hospitalar em Portugal

É triste ver chegar à comunicação social relatos de graves falhas no sistema de saúde nacional, envolvendo tanto profissionais da área da saúde como Bombeiros. Este caso em especial refere-se a uma enfermeira da unidade de saúde local se ter recusado a acompanhar uma parturiente durante o seu trabalho de parto enquanto decorreria o transporte para a maternidade de Bragança numa ambulância dos Bombeiros de Freixo de Espada a Cinta.

Como é que uma pessoa que se diz profissional de saúde abandona um utente com a desculpa de “não receber horas extras para efectuar o transporte”. Mas nem tudo fica por aqui pois ainda mais grave é o médico responsável pela utente o ter permitido sem que houvesse acompanhamento.

O resultado de toda esta confusão foi o nascimento da criança na Ambulância sem qualquer tipo de assistência médica diferenciada, algo que nunca deveria ter acontecido num sistema de saúde onde dizem ser competente. O parto decorreu sem que houvesse condições materiais, sanitárias e mesmo técnicas para que tal acontecesse em pleno, tendo o Bombeiro e o Pai da criança com o auxilio do INEM via telefone feito todo o trabalho de parto, o qual acabou por ser complementado com o transporte já numa Ambulância do INEM até à urgência básica de Mogadouro e posteriormente de Helicóptero até à unidade de Bragança.

Eu como prestador de socorro pré-hospitalar e bombeiro voluntário repudio tais acções por parte dos “competentes” médicos e enfermeiros do serviço de saúde do nosso país. País este que se diz moderno, mas que peca em coisas tão básicas como se um país de terceiro mundo se tratasse.

Fica o apelo aos responsáveis pela saúde em Portugal, façam rolar as cabeças daqueles que não cumprem, pois só assim os serviços de saúde serão melhorados.