10700527_881186421905139_5966129166141539077_o
Ainda há apaixonados por automobilismo em Portugal, é incontestável e ficou provado este fim-de-semana no Autódromo do Estoril!

Para uns Louco, Obstinado e Persistente, mas como tudo na vida é preciso aproveitar alguns prazeres da vida! Num pequeno país onde o Futebol é rei e senhor, foi espantosa a moldura humana encontrada ontem no Autódromo do Estoril.

Por si só o ELMS (European Le Mans Series) é uma festa dentro do mundo das corridas. É impossível descrever o ambiente sentido num paddock desta natureza, é simplesmente um mundo à parte!

Presentes algumas das melhores máquinas à categoria do mundo, máquinas infernais, barulhentas e “imperfeitas” ao perto levadas ao limite por excelentes pilotos!

O ambiente sentido dentro do paddock e é indescritível, uma amálgama de pessoas, entre pilotos, mecânicos, engenheiros, equipas e curiosos dão um colorido fantástico a qualquer pista.

Ver corridas na Tv é muito mais confortável, mas isso é para quem vê por ver, isto porque o som emanado pelos motores é arrepiante. O cheiro a borracha, travões super aquecidos e a combustível de competição é uma combinação perfeita para qualquer amante dos motores!

Aprende-se muito sobre corridas também, observar alguns dos melhores engenheiros e mecânicos revelam pequenos segredos do mundo das pistas aos menos conhecedores. É fantástico…

Confesso que tinha algumas dúvidas sobre a adesão a esta prova, pois como já é costume vejo circuitos desertos em Portugal, com excepção para ao Circuito da Boavista, Vila Real e Rally de Portugal e Europeu / Mundial de Rallyrcross. Muito por culpa “nossa”, pois somos futeboleiros inveterados é dificil puxar competições motorizadas de relevo para o nosso país, ainda para mais com um governo que teima em dizer que o desporto automóvel não trás vantagens que justifiquem os apoios estaduais.

Isto acontece porque uma generalidade nunca esteve envolvido num ambiente de competição como o vivido ontem no Autódromo do Estoril. É impossível não ficar rendido a este mundo que tem tanto para se ver, para se observar e aprender.

10515120_881635705193544_5448886173087722891_o
Palmilhar quilómetros para assistir a estes momentos é uma necessidade, pois as “Pequensa Coisas Que Faltam na Vida, Tornam as Grandes Incompletas… Pequenas Coisas Fazem Parte. Não te Esqueças!!!

82º Edição das 24 Horas de Le Mans

untitled-1-c8ab

Ano após ano tornei estas 24 horas numa espécie de ritual onde tomo especial atenção à transmissão das 24 horas de Le Mans, a competição rainha  do Endurance Automóvel.

Esta edição trás especial orgulho devido à participação do Filipe Albuquerque aos comandos de uma Audi R18 E-tron, assim como de Álvaro Parente aos comandos de um Ferrari F 458 Italia e do Pedro Lamy no Aston Martin V8.

Depois do incrível acidente de Loic Duval ao literalmente desfazer o Audi R18 E-tron, a Audi foi capaz de fazer renascer o carro das cinzas e coloca-lo em competição, algo que pensava eu ser impossível tal foi o estrago.

Tinha muitas esperanças no Filipe Albuqerque, e num bom resultado que se desfez quando num período de chuva em que o Safety-car estava em pista foi literalmente abalroado pelo Ferrari da AF Corse com Sam Bird ao volante.

untitled-1-adaf

Álvaro Parente também não foi feliz, tendo o Ferrari da equipa RAM se debatido com vários problemas mecânicos, assim como Pedro Lamy que liderava a sua categoria até ser obrigado a parar nas Boxes com problemas perdendo várias posições.

Apesar dos azares Nacionais a prova mantém a sua mística e espectaculariade, pelo que o ritual se manterá com uma “directa” a assistir à espectáculo motorizado das 24 Horas de Le Mans.

E que num futuro próximo possa estar de corpo e alma presente no Circuito de La Sarthe.

Corridas com o Coração


 

Longe vão os tempos, aqueles mesmo antes de eu nascer em que as corridas eram decididas com o coração, sim por momentos de coragem e emoção por parte dos pilotos que conseguiam proezas que não imaginamos ver replicadas nas corridas de hoje.

Actualmente vemos que as corridas principalmente de Fórmula 1, assim como as restantes modalidades motorizadas de topo se regem por tácticas fortíssimas que impõem determinadas regras e objectivos aos pilotos, aliciando-os a arriscar o estritamente necessário e nunca passar além disso.

Faz falta a irreverência das lutas entre Alain Prost e Ayrton Senna, o louco e espectacular Gilles Villeneuve ou então o louco James Hunt que não dispensava um cigarro, álcool, festas, sexo e mulheres antes das corridas.

Corridas feitas com o coração no acelerador traziam um encanto e emoção fora do normal, forçando limites do que era imaginável. Eram essas emoções que davam cor ao desporto motorizado, e que mostravam a verdadeira face dos pilotos.

Não descuro a evolução tecnológica e táctica que o desporto motorizado sofreu até ao dia de hoje, em que os níveis tecnológicos da engenharia envolvida são enormes e que dão o seu ar de graça, mas os tempos em que não havia ajudas electrónicas, direcção assistida ou telemetria em directo eram muito mais bonitos.

Tempos esses em que os pilotos tinham máquinas muito mais “ásperas”, onde tinham de ser pilotadas com as duas mãos, com o coração e com os “tomates”.

Motorsport 2013 the Begining

VW_WRC_2013_apresentacao-600x450

A temporada 2013 dos desportos motorizados arrancou logo no dia 5 de Janeiro como Dakar que actualmente é disputado na América do Sul entre a Argentina, Chile e o Peru. No entanto hoje será dado o arranque oficial para a temporada 2013 do Mundial de Rally, o WRC .

A temporada 2013 trouxe de novo aos palcos do WRC 3 construtores, sendo que a M-Sport é a actual substituta da antiga equipa Ford, no entanto ainda mantém o desenvolvimento dos Ford Fiesta WRC mas a grande novidade no mercado dos construtores é a entrada da VW, como o VW Polo WRC que no shakedown do Rally de Monte Carlo já mostrou ser rápido.

Enquanto que no Dakar as posições já vão sendo definidas depois de 9 dias de competição onde a Armada Portuguesa tem mostrado bons resultados, que nas Motos, quer nos Carros, o WRC ainda mal começou sendo que o tempo mais rápido do shakedown ficou nas mão de Thierry Neuville ao volante de um Ford Fiesta WRC.

O Dakar 2013 acabará dentro de dias, mas o WRC ainda terá muito para dar e para mostrar. Este ano um dos meus favoritos não está presente, Petter Solberg pelo que o meu total apoio passa para o “lata na vala” Jari-Matti Latvala ao volantate do VW Polo WRC.

Muito podemos esperar de todas as modalidades do desporto motorizado para 2013 e eu já defini o calendário das provas a ir ver.